quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Livro destaca patrimônio cultural e histórico regional

 
Região - Uma obra literária apresenta as riquezas históricas e culturais de 14 municípios dos vales do Sinos, Serra e Paranhana. Idealizado pela Valorize Assessoria em Turismo, Cultura e Educação, o livro Patrimônio Cultural e Histórico: Uma Rede Viva!!! reúne textos e artigos que resgatam aspectos históricos do patrimônio cultural de cada município. 
A integração da rede colaborativa de valorização do patrimônio cultural ofereceu aos integrantes das prefeituras um curso em parceria com o Instituto Superior de Educação Ivoti - ISEI. Apresentações artísticas nos municípios envolvidos também integrou as diretrizes do projeto, que culminou com a produção do livro. Financiado pelo Pró-Cultura RS, a obra obteve recursos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) da Secretaria de Cultura do governo do Rio Grande do Sul. Através do site patrimonioredeviva.com.br é possível ter acesso a outros conteúdos elaborados pela Valorize e municípios.
Casas históricas de Campo Bom contextualizadas no livro
O contexto da preservação (ou da demolição) do patrimônio cultural de Campo Bom é apresentado por Jorge Luís Stocker (do coletivo Consciência Coletiva e da OSCIP Defender). Stocker resgata as ações que culminaram no primeiro levantamento do patrimônio cultural de Campo Bom e resgata o surgimento dos palacetes no estilo eclético na década de 1970. Na obra publicada no livro é apresentado que o município possuía 57 bens catalogados, mas hoje restam 38 imóveis. Entre eles está a Casa Wolf, na Av. Brasil.
Sapiranga apresenta história do Museu, Casa Johann e Morro Ferrabraz
Em artigo produzido por Ana Carolina Oliveira Fonseca, Juliana Cristina Feyh e Roberta Rothen é apresentado como a valorização e a preservação do patrimônio material e imaterial do Município ocorreu ao longo dos anos. Destaque para o momento em que o Morro Ferrabraz foi transformado em Patrimônio Natural, Cultural, Histórico e Turístico. A obra enaltece ainda a Casa Johann Schmidt, construída em 1845 (e que atualmente enfrenta problemas estruturais).
Nova Hartz aposta em projeto de educação patrimonial de jovens
Para manter viva a história do Município, o Museu Histórico de Nova Hartz desenvolve o Projeto de Educação Patrimonial "Você é feito de Histórias". Mais de 930 estudantes foram atendidos pela professora Vânia Priamo. O projeto é direcionado aos estudantes do quarto ano das escolas públicas. Para trabalhar a histórica do município, as crianças visitam locais de inquestionáveis valores culturais existentes na cidade. Uma gincana para resgatar os ensinamentos encerra o projeto anualmente. 

 Reproduzido do original disponível em http://www.jornalrepercussao.com.br/site/content/noticiadetalhe/?id=5418

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Lançamento do livro - Patrimônio Rede Viva

Livro fortalece rede em prol do patrimônio da região
Projeto Patrimônio Cultural e Histórico: uma rede viva!!! teve mais uma ferramenta lançada com participação de 14 cidades
“Essa é mais uma ferramenta de valorização do trabalho realizado em prol do patrimônio da região”, falou a coordenadora geral da Valorize Assessoria em Turismo, Cultura e Educação, na noite de terça-feira, 9, quando foi lançado o livro “Patrimônio Cultural e Histórico: uma rede viva!!!, realizado pela Secretaria de Estado da Cultura e Valorize Assessoria, na Sala de Conferências do Instituto Superior de Educação Ivoti.

Com 40 páginas e 16 textos elaborados por dirigentes culturais e de turismo e profissionais de diversas áreas de 14 municípios, a obra apresenta a riqueza do patrimônio cultural da região, além de demonstrar a preocupação com a preservação de cada aspecto.

Foram entregues três livros, um para os autores e participantes do projeto e outro para o acervo do município. “O desafio é que o terceiro livro seja entregue para outra pessoa que deva participar desta rede criada neste ano a fim de darmos continuidade no movimento colaborativo”, propôs Cíntia.
Para a dirigente de turismo de Sapiranga, Roberta Rothen, o livro é um relato do que cada cidade faz. “Ele propicia um espaço de troca das iniciativas que cada um vem fazendo individualmente e em conjunto”, falou. A professora de Educação Artística do mesmo município, Juliana Feyh, destaca que esse é o primeiro passo para valorizar a história local e regional. “Aqui no município, houve uma série de tentativas de valorização da nossa história e do nosso patrimônio e que agora ganha mais uma ferramenta”.

Um dos parceiros da iniciativa foi o Isei e o diretor da instituição, Manfredo Wachs, destacou o livro como um importante registro da valorização da identidade regional. Ele falou que o projeto coincide com o lançamento do curso de graduação em História da instituição.
Também foram entregues os certificados aos participantes do projeto e apresentado vídeos com relatos e o intercâmbio de apresentações culturais ocorrido em 5 cidades ao longo do ano e que envolveu cerca de 5 mil pessoas. O grupo de Teatro Criarte, do Centro Municipal de Educação Dr. Décio Gomes Pereira, de Sapiranga, realizou uma performance teatral, ilustrando a integração cultural.

Com financiamento do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), o projeto iniciou em abril, integrando as iniciativas de Campo Bom, Dois Irmãos, Estância Velha, Ivoti, Lindolfo Collor, Morro Reuter, Nova Hartz, Nova Petrópolis, Novo Hamburgo, Parobé, Picada Café, Presidente Lucena, São Leopoldo e Sapiranga. Informações em contato@valorizeassessoria.com.br.




quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Ação em defesa da restauração do Salão Holler, Ivoti (RS)

Manifestantes estiveram no município domingo, 7, distribuindo panfletos exigindo a restauração imediata do Salão Holler, maior casa Enxaimel do Rio Grande do Sul, localizada na Av. Presidente Lucena. O ato público iniciou no Núcleo de Casas Enxaimel, onde integrantes da Defender falaram sobre a história da construção. “Esse ato foi no sentido educativo, buscando mostrar para a comunidade a importância da obra”, esclareceu o delegado regional da Defender, Cristiano de Brum. Depois, o grupo seguiu para o centro da cidade distribuindo panfletos e encerrou o manifesto colocando cartazes nas janelas do Salão Holler.


Entre os cartazes se destacam os seguintes dizeres: “Ivoti tem 36 casas enxaimel na área urbana, quantas precisam cair para valorizarmos nossa história?” e “Luto Ivoti. Mais uma construção centenária destruída com a autorização da Prefeitura. Junto destruíram parte de todos nós”.
Foto: Vanessa Pustai.
O prédio foi tombado como patrimônio histórico estadual em 2014, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae) e hoje pertence à Ivoti. Segundo o panfleto distribuído por representantes da Oscip Defender, as más condições do telhado exigem o restauro imediato, pois a falta de reparo pode causar a deterioração do interior, encarecendo ainda mais futuros reparos. “É preciso uma solução emergencial como a colocação de uma cobertura provisória, pois está chovendo para dentro e quanto maior for a espera, maior será o custo de restauro depois”, esclarece de Brum.
Resposta da Prefeitura – A Prefeitura postou uma nota de esclarecimento sobre o assunto na rede social da Administração. Eles alegam, entre outras coisas, que “em nenhum momento houve omissão da atual gestão sobre a preservação do Patrimônio Histórico”. Além disso a nota diz que considera legítima toda a forma de manifestação “desde que haja coerência e verdade no que se diz”.
Relevância Histórica
Cristiano de Brum é doutorando de história e explica que o Salão Holler não é relevante apenas do ponto de vista arquitetônico, mas também paisagístico, histórico e social. “A casa é uma referência para a comunidade e além de fazer parte da história de Ivoti, é a primeira casa nesse estilo tombada pelo Iphae no Estado, o que a torna relevante também para o Rio Grande do Sul”, destacou.
Demolição
Em junho de 2013 o Diário já havia feito matérias sobre o Salão Holler. Na época a casa estava em obras e as intervenções foram consideradas agressivas pela Oscip, que iniciou processo, junto ao Ministério Público. Em janeiro de 2014, a casa foi tombada como patrimônio histórico pelo Iphae.
Por Vanessa Pustai
Fonte: www.odiario.net

Obs: Participam da ação Alexandre Reis, Cristiano de Brum e Jorge Luís Stocker Jr.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Projeto de restauro do Chateau D'Eau é apresentado para a comunidade

O projeto arquitetônico de restauro do Chatodô, apresentado ontem a noite aos cachoeirenses pela
Defender/RS, vai permitir a recuperação de um patrimônio histórico do Rio Grande do Sul. Segundo o presidente da Defender, Telmo Padilha, tanto o Chatodô quanto toda a Praça Baltazar de Bem serão
tombados pelo Patrimônio Histórico do Estado. Em 30 dias, se não houver objeção por parte do prefeito Neiron Viegas, o ato será homologado e publicado no Diário Oficial.

A elaboração do projeto coube à arquiteta Enilda da Silva e aos acadêmicos de Arquitetura Jorge Luis Stocker Júnior e Adriana Neves. Todos foram selecionados pela Defender/RS. A coexecução
do projeto é da Prefeitura de Cachoeira do Sul, com apoio da Corsan. Segundo Enilda, o monumento não apresenta danos estruturais relevantes.

O Diagnóstico - Problemas do Chateau D'Eau

* Descaracterização da pintura com tinta acrílica
* Fissuras, rachaduras e oxidação em níveis pequenos para a idade do Chatodô
* Há uma ninfa com a cabeça quebrada, outra com um braço quebrado e uma terceira com o nariz
quebrado. As ninfas inteiras servirão de moldes para a reconstrução das avariadas. Na verdade, as
estátuas representam camponesas e não ninfas. Acredita-se que a atribuição errada se deve a Netuno, que está no topo do monumento e que, assim como as ninfas, tem relação com a água
* As estrelas que estão dentro da bacia de água do monumento serão retiradas, já que não são
originais (foram construídas em 1959), assim como algumas palmeiras
* A maior intervenção será na parte paisagística do Chatodô, que retomará o jardim que existia ao
redor do monumento
* Para limpar a estrutura será utilizado uma espécie de compressor de ar alimentado por um mineral chamado garnet, em um sistema semelhante ao jateamento de areia, que segundo a arquiteta limpa qualquer estrutura

Fonte: Jornal do Povo / CHARLES MASSIRER

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Apresentação do Projeto de Restauração do Chateau D'Eau em Cachoeira do Sul



Em audiência pública promovida pela Prefeitura Municipal de Cachoeira do Sul e Defender no dia 25/11, a equipe responsável pelo projeto de restauração do Chateau D'Eau apresentou o resultado do projeto. A audiência pública ocorreu na Sede da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Cachoeira do Sul.


O acadêmico de arquitetura Jorge Luís Stocker Jr., autor da pesquisa histórica e de caracterização urbana utilizada no projeto, apresentou brevemente algumas das informações levantadas no processo de pesquisa, que envolveu visitas a acervos como o Arquivo Histórico do Estado do Rio Grande do Sul, acervo de períodicos do Museu Municipal de Cachoeira do Sul e pesquisa bibliográfica.


Na sequência, a Arquiteta Enilda Miceli, responsável técnica pela proposta de restauro, apresentou o levantamento de patologias, a caracterização teórica do projeto e, por fim, as propostas cromáticas realizadas para o monumento.


sábado, 25 de outubro de 2014

Exposição de rua na 1ª Feira do livro Independente de Novo Hamburgo

Durante a 1ª Feira do Livro Independente (25/10), o Coletivo Consciência Coletiva promoveu mais uma edição da Ação Arte Contemporânea Independente.

A exposição integrou diversas linguagens das artes visuais e também poesias, e foi montada junto ao Calçadão Oswaldo Cruz, no centro da cidade.




segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Lançamento do projeto de restauração do Sítio Histórico do HCB de Cachoeira do Sul

Corsan abre mais a mão pela história. Após comprometer-se em bancar projeto de restauro do antigo HCB, estatal promete ajudar nas obras.


Além de patrocinar a proposta técnica de restauro (o chamado projeto arquitetônico executivo) do sítio histórico do antigo Hospital de Caridade de Cachoeira do Sul, a Corsan comprometeu-se em ajudar financeiramente no custeio da obra. O anúncio foi feito ontem pelo presidente da estatal, Tarcísio Zimmermann, que veio à cidade para o lançamento oficial do projeto.
O presidente não falou na quantia de dinheiro que a companhia pretende reservar para a obra e convocou o empresariado local para ajudar: “Espero que a Corsan não seja a única a contribuir com esta importante causa”. Depois de aprovado pelo governo federal ou estadual, o projeto entra em fase de captação de recursos. A contribuição dos empresários com a obra posteriormente é abatida de impostos que eles terão de pagar ao governo.
Zimmermann fica no comando da Corsan somente até o final do mês que vem. Respeitando o prazo de desincompatibilização de cargo público para buscar reeleição, ele deixará o posto e reassumirá sua vaga de deputado federal. “Mas o dinheiro ficará bem encaminhado quando eu sair da Corsan”, prometeu. Só para custear o projeto técnico de restauro, a Corsan desembolsará R$ 244.880,00. A previsão é de que o recurso seja liberado dentro de dois meses.
Praça – Além do antigo HCB (prédio hoje usado pela escola de cursos técnicos do hospital), o projeto de restauro e revitalização inclui o primeiro reservatório e a primeira hidráulica da cidade, ambos localizados na Praça Itororó, nas imediações do HCB.

Nos bastidores da solenidade de ontem


Enilda e Stocker: à frente do projeto de restauração do antigo HCB e entorno. Foto: Patrícia Loss

Autoridades no assunto
A cerimônia de ontem, ocorrida no antigo Hospital de Caridade e Beneficência (HCB) – uma das edificações que será restaurada no projeto – reuniu as duas principais autoridades gaúchas no assunto, a diretora do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae), Mirian Sartori Rodrigues, e o delegado do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Rio Grande do Sul, Eduardo Hahn. Eles prestigiaram a solenidade a convite do presidente da Oscip de Defesa do Patrimônio Histórico Defender, Telmo Padilha, outra referência estadual no tema.

Coordenadora contratada
A Defender é parceira da Corsan na iniciativa e será a responsável pela elaboração de todo o projeto arquitetônico executivo. Serão pelo menos seis meses de trabalho. Para comandar o serviço, a Defender contratou a arquiteta especialista em patrimônio histórico Enilda Miceli, de Porto Alegre, e seu assessor, o estagiário de Arquitetura, Jorge Stocker. Enilda está de volta à capital gaúcha depois de uma temporada na Itália.

Quebra de protocolo
O prefeito Neiron Viegas quebrou o protocolo ao convidar para compor a mesa de autoridade o presidente da Câmara de Vereadores, Marcelo Figueiró. Ele fez o convite por conta da presença de quatro vereadores no evento. Além de Figueiró estavam na solenidade os vereadores Bombeiro Frankini, Vinicius Cornelli e Jeremias Oliveira.

Livre de preconceito
O prefeito Neiron Viegas iniciou seu discurso falando em quebra de preconceito, uma referência ao presidente da Defender, Telmo Padilha, que tem a antipatia de parte dos cachoeirenses, especialmente dos que trabalham com arquitetura, engenharia civil e patrimônio histórico. “Tem gente que vive de vender preconceito. Mas que bom que este tipo de gente está cada vez menor”, disse Neiron. Ele observou que também já foi e que ainda é vítima de preconceito. “Sei que tem uns que me chamam de coloninho grosso e analfabeto”, exemplificou.

Ineditismo duplo
O projeto do sítio histórico do antigo Hospital de Caridade de Cachoeira do Sul é duplamente inédito. Esta foi a primeira proposta liberada pelo governo federal para elaboração de projeto arquitetônico sem a análise do Conselho Nacional do Patrimônio Histórico. A iniciativa ainda é a primeira na área de preservação histórica patrocinada pela Corsan.
Nova Escola de HCB
O prédio hoje usado pela Escola do HCB terá outras finalidades depois da restauração. O estabelecimento ganhará um prédio novo, construção que fará parte do projeto patrocinado pela Corsan. O HCB ainda não decidiu para que usará o imóvel restaurado.

Para entender melhor

Projetos de restauro que serão patrocinados pela Corsan
Antigo HCB
Inaugurado em 1910, o prédio do antigo hospital serviu posteriormente de manicômio da cidade. A edificação é tombada pelo patrimônio histórico e cultural do município e foi executada pela Sociedade Beneficente Hospital de Caridade.

Caixa D’água e Hidráulica
As primeiras hidráulica e caixa d’água da cidade foram inauguradas em 20 de setembro de 1921, no primeiro ano de governo do então intendente Aníbal Loureiro. A obra custou 200 contos de réis, valor que corresponde hoje a aproximadamente R$ 730 mil. Cachoeira foi uma das primeiras cidades do Rio Grande do Sul a possuir água encanada, o que lhe garantiu o status de um dos municípios de maior desenvolvimento na época. A torre de 16,5 metros foi a primeira construída em estilo e tamanho no estado.

Chatodô
O Chatodô foi a segunda hidráulica e caixa d’água do município. Hoje é um dos principais cartões portais da cidade. O monumento foi inaugurado em 1925.

Fonte: Jornal do Povo

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Unisinos realiza Jornada de Atuação Profissional de Arquitetura e Urbanismo

A escassez de recursos naturais e a urgência na busca por um modo de viver mais sustentável apresenta-se como um desafio aos profissionais de Arquitetura e Urbanismo. A atuação profissional do Arquiteto e Urbanista, seja na escala da cidade ou da edificação, é fator de suma relevância para o desenvolvimento sustentável das cidades brasileiras. A jornada propõe uma reflexão sobre a atuação profissional de Arquitetura e Urbanismo a partir de painéis seguidos de debates, compostos por representantes do campo da atuação profissional, de entidades de classe e do poder público.
Objetivos
O objetivo da I Jornada da Atuação Profissional de Arquitetura e Urbanismo é proporcionar uma reflexão sobre a atuação profissional da área de Arquitetura e Urbanismo na atualidade, além incentivar o debate acerca de arquitetura e urbanismo e partir do desempenho sustentável.

Programação – 09/10/2014
8h30min às 9h45min – Credenciamento 9h45min às 10h – Abertura do evento

10h às 12h – Painel 1 – Norma de Desempenho e Cases de Aplicação
Painelistas:
Roberto Christ – Itt Performance
Roberto Sukster – NexGroup
Eduardo Ernesto Frapiccini – Ópera Engenharia
Carlos Eckhard – Sinduscon NH
Mediador:
Everton Eltz – CGDE

14h às 16h – Painel 2 – Redes Sociais e Coletivos Urbanos
Painelistas:
Marcia Braga – Projeto Vizinhança
Aline Bueno – Projeto Vizinhança
Jorge Luís Stocker Júnior – Defender

Daniel Andrade Bittencourt – Porto Alegre c.c.
Mediadora:
Ana Lucia Goelzer Meira – Unisinos

16h às 18h – Painel 3 – Habitação de Interesse Social e Assistência Técnica
Painelistas:
Rafael Passos – IAB RS
Nívea Maria Opperman Peixoto – Embarq
Fernando Biffignandi – DEMHAB/PMPA
Mediador:
Adalberto da Rocha Heck – Unisinos

20h às 22h – Palestra de Encerramento: “A construção de diálogos na cidade desigual: A contribuição do arquiteto e urbanista”
Palestrante:
Wilson Ribeiro dos Santos Junior – POSURB PUC
Período
09/10/2014 a 09/10/2014
Carga Horária
9:30 horas
Dias de Aula
8h30min às 12h
14h às 18h
20h às 22h
Local
Auditório Sérgio Concli Gomes
Público de interesse
Profissionais e estudantes de graduação e pós graduação das áreas de Arquitetura e Urbanismo e afins.
Certificado
Será fornecido certificado para os participantes que tiverem mais de 75% de frequência no evento.
Promoção
Universidade do Vale do Rio dos Sinos Mestrado Profissional em Arquitetura e Humanismo
Informações e inscrições clique AQUI
Fonte: Unisinos

sábado, 27 de setembro de 2014

Reunião em Torres (RS)

A convite do delegado da Defender na cidade de Torres/RS, Sr. Leonardo Gedeon, aconteceu na última sexta-feira, dia 26 de outubro de 2014, no prédio histórico da Prefeitura, um encontro para definir ações de preservação do Patrimônio Cultural no município, com a participação do presidente da Defender e do delegado regional Jorge Luís Stocker Jr.

O encontro, aprovado e tutelado pelo Gabinete da Prefeita Sra. Nílvia Pinto Pereira, contou com a participação do vice-prefeito Sr. Ildefonso Brocca, da diretora do IPHAE, Sra. Miriam Sartori, de Secretários municipais, de representante da ONG Onda Verde e do presidente do COMPAHC. Para o presidente da Defender, Telmo Padilha – “Foi um oportuno encontro de pessoas especiais, num lugar especial para tratar de assuntos especiais.”  

Como principal resultado da rápida verticalização das construções, ficou evidente a necessidade emergencial de uma legislação municipal com o acompanhamento do IPHAE – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado, visando a preservação do patrimônio cultural do município, como estabelece a Constituição da República Federativa do Brasil, em seu Artigo 30; § 1º, e do Estatuto da Cidade, visando a continuidade de seu desenvolvimento de forma sustentável.

A Defender/RS – Defesa Civil do Patrimônio Histórico através de seus delegados presentes e de seu presidente, se prontificou a colaborar com o Poder Público Municipal, tendo em vista situação crítica e emergencial que se encontra o Patrimônio Cultural de Torres. 



Entrevista sobre o projeto Soma Cultural - TV Feevale




Entrevista do Jorge Luís Stocker Jr. sobre a abertura do Projeto Soma Cultural na TV Feevale.
Assista clicando aqui.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Entrevista com Jorge Luís Stocker Jr. no programa Conversa de Peso


No dia 25 de Setembro o integrante do Coletivo Consciência Coletiva e delegado regional da Defender Jorge Luís Stocker Jr. participou do programa "Conversa de Peso" da TVNH.
Na entrevista foi abordado o patrimônio cultural da região, desafios e possibilidades e também a fotografia.

Assista na íntegra:

PARTE I da entrevista:
 PARTE II da entrevista:

sábado, 20 de setembro de 2014

Apresentação dos artistas do Coletivo no IFRS

Na sexta-feira (19/09) os artistas do Coletivo Consciência Coletiva estiveram no Instituto Federal Rio Grande do Sul - Polo Canoas apresentando um pouco do seu trabalho e da atuação do grupo. A atividade integra a II Feira de Arte Gaúcha.

Participaram da conversa os artistas Alexandre Reis, Ênio Santo, Jorge Luís Stocker Jr. e Maurício Montano Ott, compartilhando um pouco da sua experiência de trabalho com as artes visuais e com o Coletivo.

A exposição pode ser conferida no local durante esta semana.


quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Curso Patrimônio Rede Viva em Ivoti (RS)

Patrimônio histórico e Cultural em discussão - Encontro reuniu representantes de cinco cidades
Jornal NH (03.09.2014)
 
(...)
O palestrante Jorge Luís Stocker Júnior apresentou a legislação e as diferenças das técnicas arquitetônicas atreladas com os fatos históricos, bem como os valores atribuídos. Segundo o delegado regional da Defender, Jorge Luís Stocker Júnior, o conceito de patrimônio cultural está expandindo. "Devemos investigar os valores observando a historicidade, o sentido de permanência no tempo e espaço, mas também a ressignificação dada no presente", lembra Stocker.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Curso Patrimônio Rede Viva

O patrimônio edificado e os bens culturais da região foram tema do curso Patrimônio:uma rede viva!, organizado pela Valorize Assessoria, com financiamento do FAC-RS.

No dia 02/09, nas dependências do ISEI, ocorreu o terceiro encontro do Curso, nas dependências do ISEI.
Na ocasião, o acadêmico de arquitetura Jorge Luís Stocker Jr. ministrou a palestra "Patrimônio Cultural Edificado: Potencialidades e desafios regionais", no terceiro encontro do curso Patrimônio Rede Viva em Ivoti (RS).


quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Mesa redonda Tutela do Patrimônio Histórico - IAB RS



O Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-RS) promoveu ontem, quarta-feira (27/08), às 19h30min, a palestra “Tutela do Patrimônio Histórico – Por que preservar?”. O bate-papo contou com a participação de Nestor Torelly (ICOMOS), Jorge Luís Stocker Jr. (Defender), Ricardo Antunes Sessegolo (Sinduscon), Dra. Ana Maria Marchesan (Ministério Público) e a mediação da arquiteta Briane Bicca.

Assista na íntegra:


Segundo encontro do curso Patrimônio Rede Viva em Nova Hartz (RS)

Nova Hartz recebe cidades para projeto sobre Patrimônio Cultural e Histórico
O sentido de permanência no espaço e no tempo e a atribuição de valor a um bem, além de exemplos de edificações da região estão sendo tratados no encontro.





Nova Hartz – A gestão compartilhada foi assunto de encontro do projeto “Patrimônio Cultural e Histórico: uma rede viva!”. Profissionais de Novo Hamburgo, Campo Bom, Sapiranga, Nova Hartz e Parobé foram recebidos no Espaço Cultural da EMEF Pastor Wartenberg em Nova Hartz, na terça-feira, dia 26, na presença da diretora geral da Secretaria de Educação, Marta Campos Sanini, e da diretora do Museu Histórico de Nova Hartz, Vânia Avila Priamo.

Para a coordenadora geral, Cíntia Elisa Dhein, da Valorize Assessoria em Turismo, Cultura e Educação, os municípios estão preocupados em valorizar e promover seus espaços, bem como, em conhecer as experiências e promover a integração das ações. “Cada cidade possui uma proposta de trabalho e o projeto vai auxiliar a promover o intercâmbio, qualificando ainda mais as ações”, explicou.

Uma das questões levantadas pelo palestrante, o acadêmico de arquitetura Jorge Luís Stocker Jr., foi quanto à legislação e à metodologia no Brasil. Já se identificava Ouro Preto como patrimônio cultural brasileiro em 1934, antes mesmo da criação do Iphan, em 1937. Com a Constituição de 1988, o assunto foi ampliado com a participação de diferentes áreas interessadas no assunto. O sentido de permanência no espaço e no tempo e a atribuição de valores a um bem, além de exemplos de edificações da região foram tratados no encontro.

O município de Ivoti sediará o terceiro encontro, no dia 2 de setembro, envolvendo profissionais, estudantes, moradores e interessados de São Leopoldo, Estância Velha, Ivoti, Lindolfo Collor, Dois Irmãos. O encontro será no Instituto Superior de Educação Ivoti, na Rua Padre Ernesto Schlieper, 200. As inscrições continuam abertas. Mais informações pelo e-mail contato@valorizeassessoria.com.br.

SAIBA MAIS

Morro Reuter sediou encontro no dia 19, e Nova Hartz, no dia 26 de agosto. A sequência será realizada no dia 23 de setembro, abrangendo todos os inscritos. Todos os participantes receberão um certificado de participação.
O projeto Patrimônio Cultural e Histórico: uma rede viva! foi contemplado pelo concurso “Pró-Cultura RS FAC Processos Culturais Colaborativos” (edital SEDAC 07/2013) e é oportunizado pela Secretaria de Estado da Cultura do Governo do Rio Grande do Sul, por meio de recursos do Fundo de Apoio à Cultura (Lei nº 12.490/10).

Próximos encontros presenciais:
02/09 - Cidade sede: Ivoti | Participantes: Dois Irmãos, São Leopoldo, Ivoti, Estância Velha e Lindolfo Collor
23/09 - Cidade sede: Ivoti: Participantes: todos os municípios envolvidos

Crédito: Sandra Hess/Divulgação Valorize Assessoria

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Curso Patrimônio Rede Viva tem seu primeiro encontro

Começa a criação de uma rede de cooperação em prol do Patrimônio: 14 municípios estão integrados no projeto “Patrimônio Rede Viva!!!”
Primeiro encontro ocorreu em Morro Reuter nesta terça-feira com a participação do pesquisador Jorge Luis Stocker Jr.

Morro Reuter – “O assunto me interessa muito e precisa ser mais valorizado e discutido. O fato de discutirmos em rede pode vir a trazer um resultado prático para os municípios”, disse a estudante do 3º semestre de História da Unisinos, Alana Schuck, de 19 anos. Ela participa do curso gratuito Patrimônio Rede Viva!, que teve seu primeiro encontro nesta terça-feira, dia 19, na Secretaria de Educação de Morro Reuter.

Segundo a coordenadora geral da Valorize Assessoria em Turismo, Cultura e Educação, Cíntia Dhein, a atividade integra o projeto “Patrimônio Cultural e Histórico: uma rede viva!”, abrangendo 14 municípios, em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura. “A proposta é promover uma aproximação e criar uma rede colaborativa, estimulando a identificação e valorização do patrimônio local e regional”, falou.

Na parte da manhã, o curso abordou o patrimônio cultural edificado, considerando as potencialidades e desafios regionais. “Tratamos da legislação e de formas de valorizar o patrimônio, pois o começo da preservação é reconhecer o que temos. Existem cidades com situações bem adiantadas e outras que podem investir mais na área”, contou o pesquisador Jorge Luis Stocker Jr. À tarde, os participantes trataram do patrimônio local e regional. “Neste primeiro momento, dividimos em grupos menores para qualificar a troca e ampliar a discussão para o grande grupo”, explica Cíntia. Os participantes terão um segundo encontro presencial, reunindo as 14 cidades, no dia 23 de setembro.

VALORIZAÇÃO REGIONAL

A representante do Departamento de Cultura de Morro Reuter, Carmen Ramminger, destacou a oportunidade dos municípios de trocarem informações e experiências. “É algo bastante diferenciado para todos”, destacou. Com a participação de profissionais e estudantes de Dois Irmãos, Morro Reuter, Nova Petrópolis e Picada Café, a atividade também contou com a presença do presidente da Comissão Emancipacionista, Leopoldo Kocchann.

A professora de História, Janine Kilp, de 32 anos, mora em Dois Irmãos e atua em Morro Reuter. Para ela, a sociedade não despertou para o patrimônio que possui. “Temos atrativos com grande facilidade de acesso e que precisam de maior valorização. A intenção é passar aos alunos a importância do nosso patrimônio cultural e histórico regional”, destacou.
________
O projeto Patrimônio Cultural e Histórico: uma rede viva!!!foi contemplado pelo concurso “Pró-Cultura RS FAC Processos Culturais Colaborativos” (edital SEDAC 07/2013) e é oportunizado pela Secretaria de Estado da Cultura do Governo do Rio Grande do Sul, por meio de recursos do Fundo de Apoio à Cultura (Lei nº 12.490/10).

Por: Sandra Hess/Valorize Assessoria




domingo, 29 de junho de 2014

Palestra em Santa Rosa - Desafios da preservação e participação

Ocorreu, nos dias 27 e 28 de junho, o II Encontro Regional sobre Patrimônio Histórico -
Reconhecimento, Salvaguarda, Leis e Mecanismos de Apoio.

O evento teve a participação, no segundo dia, do acadêmico de arquitetura Jorge Luís Stocker Jr., que abordou o tema "Desafios da preservação e participação".   

 

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Na mídia: Entrevista no programa Conexão Futura


Jorge Luís Stocker Jr., integrante do Coletivo Consciência Coletiva, participou no dia 05/06 do programa Conexão Futura, com a temática Patrimônio e Herança Cultural.

Confira acessando o link:

Assista na íntegra:


sexta-feira, 6 de junho de 2014

Apresentação na UFMG - Mobilização: sociedade civil em defesa do patrimônio cultural

O representante do núcleo regional da Defender Vale do Sinos, Jorge Luís Stocker Jr., integrou a Mesa Redonda no terceiro dia (06/06) do Fórum Mestres e Conselheiros, realizado na UFMG em Belo Horizonte - MG.

O tema abordado em sua exposição foi "Mobilização: sociedade civil em defesa do patrimônio cultural", apresentando algumas ações realizadas pelo Coletivo Consciência Coletiva no centro histórico de Hamburgo Velho, abordando as possibilidades de protagonismo da sociedade civil na defesa do patrimônio cultural das cidades.
 






Minicurso ministrado na UFMG - VI Fórum Mestres e Conselheiros

Nos dias 05 e 06/06/2014, ocorreu o minicurso Patrimônio Cultural: A lei, o bem e o mal, realizado dentro da programação do VI Fórum Mestres e Conselheiros, em Belo Horizonte.

A segunda parte do curso foi ministrada pelo delegado do núcleo da Defender Vale do Sinos, o acadêmico de arquitetura e urbanismo Jorge Luís Stocker Jr.; abordando a legislação e os desafios da sociedade civil na defesa do patrimônio cultural.

O evento VI Fórum Mestres e Conselheiros teve como tema "Os desafios da educação patrimonial" e aconteceu na UFMG, em belo Horizonte, de 04 a 06 de junho de 2014.

 





quarta-feira, 28 de maio de 2014

Apresentação no I Ephis PUCRS

Apresentação da pesquisa Novo Hamburgo: A “Cidade Industrial” e sua Vila Operária
no Simpósio Temático de História Cultural - Graduação durante o I Ephis - Encontro de Pesquisas Históricas - PUCRS.
HISTÓRIA CULTURAL – GRADUAÇÃO
28/05/2014 – QUARTA-FEIRA – TARDE – SALA 503 – PRÉDIO 5
COORDENADORES: EDUARDO KNACK E LUCIANA DE OLIVEIRA
 Novo Hamburgo: A “Cidade Industrial” e sua Vila Operária
Resumo: Conhecida pelas alcunhas de “cidade industrial” e “manchester brasileira”, a partir da década de 30 Novo Hamburgo distanciava-se da imagem de colônia alemã e passava a ser palco uma série de medidas públicas principalmente a partir da vigência do Estado Novo. Este artigo propõe-se a acompanhar o processo de instalação da Vila Operária de Novo Hamburgo, também conhecida como “Vila do I.A.P.I.”, cujo anúncio dá-se na década de 30 e a efetiva inauguração apenas décadas depois. A efervescência social pela qual a comunidade passa naquele momento, tendo por pano de fundo a campanha de nacionalização e a explosão demográfica que reflete na ocupação irregular e insalubre das periferias, parece contrapor-se a morosidade em que se deu a viabilização da esperada Vila Operária. Concebida como um modelo de habitação digna para o proletariado, implantada num traçado-urbano inspirado na Cidade-Jardim, a Vila do I.A.P.I. de Novo Hamburgo simboliza o descompasso entre a representação oficial de cidade “desenvolvida” e “ordeira” e a cidade efetivamente materializada. Além das notícias publicadas em periódicos, em especial o jornal hamburguense O Cinco de Abril, foram consultados o arquivo de aprovação de projetos aprovados na Prefeitura Municipal, como forma de subsidiar o entendimento das transformações culturais do período através da arquitetura e urbanismo.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Patrimônio Cultural é tema de aula na EMEI Paulistinha

As crianças do maternal 3 da Escola Municipal de Educação Infantil Paulistinha de Campo Bom (RS) receberam na manhã de quinta (15/05) a visita do estudante de Arquitetura e Urbanismo  Jorge Luís Stocker Jr.
Na ocasião, Jorge realizou uma conversa com os alunos, abordando através de imagens antigas e contemporâneas a trajetória do município de Campo Bom e a importância do seu patrimônio cultural. A apresentação estabelece comparações entre a cultura, educação, comércio, religião , alimentação e arquitetura no município através dos tempos.

Patrimônio Cultural é tema de aula na EMEI Paulistinha

As crianças do maternal 3 da Escola Municipal de Educação Infantil Paulistinha de Campo Bom (RS) receberam na manhã de quinta (15/05) a visita do estudante de Arquitetura e Urbanismo  Jorge Luís Stocker Jr.
Na ocasião, Jorge realizou uma conversa com os alunos, abordando através de imagens antigas e contemporâneas a trajetória do município de Campo Bom e a importância do seu patrimônio cultural. A apresentação estabelece comparações entre a cultura, educação, comércio, religião , alimentação e arquitetura no município através dos tempos.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

Visita a Casa Tombada de Sapiranga

A convite da nova diretoria da Fundação Cultural e de Meio Ambiente, os representantes do núcleo regional da Defender Vale do Sinos Jorge Luís Stocker Jr., Alexandre Reis, Josiane Mallmann e Maurício Montano Ott estiveram na manhã do domingo (04/05) visitando a antiga Casa e Atafona Schmidt em Sapiranga (RS).



O imóvel, construído no século XIX em técnica enxaimel, é um dos exemplares de arquitetura popular da imigração alemã analisadas pelo arquiteto Günter Weimer em seu estudo. De propriedade da Fundação e tombado pelo município como patrimônio cultural, e conhecida como “casa tombada”, a estrutura encontra-se em avançada degradação, decorrente do desabamento de parte do telhado.

Os representantes da Defender discutiram junto aos novos representantes da Fundação as possibilidades de recuperação do imóvel e também de mobilização popular para envolver a comunidade no processo

terça-feira, 29 de abril de 2014

Scanner radiografou o Chateau D'Eau

Um  escâner  a  laser  e  tridimensional  foi  utilizado  na  manhã  de  ontem  para  embasar  a  elaboração  das  plantas  técnicas do Chatodô, material que servirá para o levantamento minucioso
de danos do monumento tombado pelo patrimônio histórico municipal e que está em fase inicial de restauração. O equipamento que  emite  imagens  com  dados  milimétricos  das  construções  escaneadas  veio do Paraná e foi operado pelas arquitetas Maria Lúcia Vianna Baptista e  Paula  Baptista  e  pelo  engenheiro civil Adriano Scheuer.


Também  ajudando  no  trabalho  estavam  a  arquiteta  Enilda  Maria  Miceli  e  o  estagiário  de 
Arquitetura Jorge Luís Stocker Jr., ambos  de  Porto  Alegre. Enilda  é  a  coordenadora  do projeto de restauração do Chatodô, iniciativa da Defender.


GUINDASTE  -  Foi preciso  um  guindaste  para colocar o escâner em operação.  O  guincho  foi 
cedido  pelo  3º  Batalhão  de  Engenharia  e  Combate  e  levou  até  o  topo  do  Chatadô  o  escâner  e  a  arquiteta  Paula.  O  trabalho durou cerca de cinco horas, chamando a atenção de quem passava
pelo  monumento  histórico. Esta foi a primeira vez que o escâner a laser e  tridimensional  operou 
em Cachoeira do Sul. No Rio Grande do Sul, o aparelho foi usado somente em  outra  oportunidade, 
no escaneamento de uma igreja em Bom Princípio.


Fonte: Jornal do Povo 29 de abril de 2014

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Levantamento da Igreja Luterana em Nova Hartz


Arquitetos Enilda Miceli, Lucas Volpatto, Jacqueline Manica e acadêmicos de arquitetura Jorge Luís Stocker Jr. e Adriana Neves compõe a equipe que realizou o levantamento.
 


PROJETO PARA RESTAURAÇÃO DE IGREJA HISTÓRICA
Fonte: Prefeitura de Nova Hartz

A comunidade do Padre Eterno, do Morro Canudos, conta os dias para a realização de um antigo sonho. O primeiro passo teve início nesta quarta-feira, 23, quando um grupo de arquitetos chegou à localidade distante oito quilômetros do centro de Nova Hartz, com a finalidade de fazer o levantamento arquitetônico para o projeto de restauração da Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) Redentor de Nova Hartz.

O trabalho deve durar cerca de seis meses e consiste em recolher dados para o futuro restauro, avaliar a situação cadastral, medição da área física do prédio, diagnóstico de danos da estrutura e cores da data de inauguração da igreja. “Precisamos dos dados para elaborar o projeto que descreve como vai ficar o prédio. A parte de restauração é técnica, com contratação de mão-de-obra especializada”, explica a arquiteta Enilda Miceli, da Releittura Arquitetura e Restauro, empresa de Porto Alegre contratada para a realização do levantamento.

Depois de ter em mãos a parte técnica e arquitetônica, a Um Cultural de Novo Hamburgo, será responsável pela elaboração do projeto de captação de recursos através da Lei de Incentivo à Cultura (LIC) do governo do Estado. ”O processo de aprovação junto ao Estado deve durar seis meses. O início da obra propriamente dita deve ocorrer até o final do ano ou começo de 2015”, comenta o diretor Daniel Henz.

O imóvel da IEBL pertencia à entidade religiosa, e para que a prefeitura possa ajudar na busca de recursos para a restauração, a comunidade da capela assinou um termo, no qual divide a guarda da igreja com o município. “Sem dúvida nenhuma a comunidade teve papel marcante, o que contribuiu para essa parceria”, disse o prefeito de Nova Hartz Arlem Tasso, acompanhado da secretária municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, Giseli Schons.

Patrimônio Histórico e Cultural – Tombada como patrimônio histórico e cultural do município em dezembro de 2012, a capela luterana é significativa tanto pelas características arquitetônicas e construtivas, quanto pelas históricas. Inaugurada no ano de 1944, a igreja foi construída a partir de doações dos antigos moradores da localidade. A construção foi realizada em um terreno doado por Jacob Müller Sobrinho e sua esposa Paulina Müller, com cinco mil metros quadrados, onde também foi feito um cemitério. “É o resultado do esforço e da vontade de uma comunidade em ter sua própria capela e professar a sua fé no local onde vivem”, disse a diretora do Museu Histórico de Nova Hartz, Vania Inês Avila Priamo.

Desejo este que, embora com um número pequeno de famílias, continua se manifestando através da determinação de recuperarem as condições de uso do espaço, pois mesmo com dificuldades é realizado culto uma vez por mês no local. A comunidade que frequenta os cultos procurou pelo Conselho Municipal do Patrimônio Cultural (Compac) expondo a necessidade de preservação da Igreja. O Compac decidiu indicar ao poder público que realizasse o tombamento da capela, e que após isso, parte do dinheiro depositado no Fundo Municipal do Patrimônio Cultural (FUMPAC) resultado da aplicação de multa em função da destruição de um imóvel de interesse histórico inventariado, seria usado em parte para pagar o projeto de levantamento arquitetônico e de danos da igreja

domingo, 13 de abril de 2014

Exposição de rua: Ação Arte Contemporânea Independente no bairro Primavera


A Ação Arte Contemporânea Independente ocorreu em paralelo ao Mercado de Pulga no bairro Primavera, trazendo de forma inédita para o bairro Primavera o questionamento do lugar da arte na cidade e democratizando o acesso à produção artística independente.
 
A exposição contou com obras dos artistas Alexandre Reis, Fabiano Mendes, Jorge Luís Stocker Jr. e Maurício Montano.




sábado, 12 de abril de 2014

Coletivo Consciência Coletiva recebe homenagem em Porto Alegre


O Coletivo Consciência Coletiva recebeu, na quarta-feira (03/12), o troféu Viaduto Otávio Rocha. A homenagem ao grupo de artistas hamburguenses foi concedida pela ARCCOV devido a “destacada colaboração que o grupo tem prestado à cultura e à questão social em benefício da população”.
 
Estiveram presentes os integrantes do Coletivo Alexandre Reis, Jorge Luís Stocker Jr. e Maurício Montano Ott.

O Troféu Viaduto Otávio Rocha é bianual e está na 2ª edição, comemorando os oitenta e dois anos do Viaduto Otávio Rocha, principal monumento histórico da capital. A cerimônia ocorreu no salão de eventos do Hotel Everest.


sexta-feira, 4 de abril de 2014

Exposição de rua: #OcupaSemec2 - Ação Arte Contemporânea Independente 04.04.2014


Em homenagem ao aniversário e história da cidade de Novo Hamburgo, o Coletivo Consciência Coletiva promoveu nesta sexta-feira, dia 04 de abril, uma edição especial da Ação Arte Contemporânea Independente - #OCUPASEMEC2.

A exposição de artes visuais foi montada na calçada, em frente a fachada arruinada do prédio da antiga SEMEC 2. Além das pinturas dos artistas Alexandre Reis e Fabiano Mendes e das fotografias de Jorge Luís Stocker r. e Maurício Montano, houve uma intervenção literária do poeta Austríaco, que recitou um poema em homenagem a antiga SEMEC II.

Este lugar simbólico e histórico, que traz no seu DNA a cultura e educação de Novo Hamburgo, voltou a respirar arte.A ação foi ainda um ato público pela recuperação do prédio e pela política cultural da cidade como um todo. 

Cartazes questionavam o grande investimento de quase meio milhão de reais em entretenimento neste aniversário do município -  enquanto os investimentos na cultura são mínimos, a SEMEC 2 está em ruínas e a municipalidade investe altas somas em aluguel para manter um espaço cultural.