quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Pedido de vaga na Comissão de Patrimônio Cultural de Novo Hamburgo/RS

 

Representantes do núcleo regional da Defender Vale do Sinos protocolaram nesta terça-feira (18 de dezembro) uma solicitação de vaga para a Comissão de Patrimônio Cultural e Natural de Novo Hamburgo.
Esta Comissão, prevista e regulamentada pelo Plano Diretor (Lei Municipal nº 1216, de 2004) é hoje o único instrumento legal previsto na cidade para a proteção do patrimônio arquitetônico da cidade. O pedido foi endereçado ao sr. Prefeito Municipal.

“Concluímos com o fórum realizado este ano que Novo Hamburgo enfrenta um momento crucial na trajetória de proteção do seu patrimônio, cuja principal fragilidade é não ter um Conselho de Patrimônio Cultural. No entanto concluímos pela importância de qualificar a Comissão já existente até que se construa a viabilidade do novo Conselho” – comenta Alexandre Reis, um dos representantes do núcleo. “Também nos preocupou o desequilíbrio entre a participação da sociedade civil e do poder público nesta Comissão. São 7 membros, dos quais 4 são titulares representando o poder público. Por este motivo sugerimos o ingresso da Defender, fortalecendo a representação civil dos anseios preservacionistas na cidade”, complementa.

Para Jorge Luís Stocker Jr., representante do núcleo da Defender no Vale do Sinos e Encosta da Serra, “a importância da participação da entidade em conselhos e comissões é levar sua experiência e vivência com o tema. A Defender participa do Colegiado Estadual de Memória e Patrimônio, além de desenvolver ações de várias naturezas em todo o Estado, sempre voltadas exclusivamente ao patrimônio cultural e natural, razão pela qual é amplamente reconhecida. Precisamos trazer este ar renovado de novos conceitos e ideias, e principalmente, de possibilidades que conhecemos para viabilizar a salvaguarda do patrimônio”.

A Comissão, instituída em 2004 com o Plano Diretor, teve parte das suas poucas atribuições canceladas através da Lei Complementar nº 2150/2010. “Nesta ocasião estranhamente o termo “Paisagístico” saiu do nome da Comissão, e o inventário também foi removido do Plano Diretor. Desta forma se fragilizou ainda mais os instrumentos que já não funcionavam a contento. Defendemos o novo Conselho, que seja de fato democrático e esteja voltado de forma clara a preservação e não a dilapidação do patrimônio cultural. Mas por enquanto precisamos fortalecer as armas que temos.” conclui Jorge.

Em 2012, o núcleo da Defender Vale do Sinos desenvolveu uma série de ações em Novo Hamburgo, iniciando pelo encontro “Discutindo o Futuro da Memória e do Legado Histórico do Vale do Sinos”, em Hamburgo Velho. Seguindo as deliberações deste encontro, foram procedidos inúmeros encontros com secretários, técnicos da Prefeitura, com a própria Comissão e com o Prefeito, a fim de trazer à pauta alguns problemas da cidade. Além disto, promoveu no Dia Nacional do Patrimônio Histórico o Fórum “Patrimônio Cultural e Paisagem Urbana de Novo Hamburgo – Ontem, Hoje e Amanhã”, que contou com a participação de dezenas de pessoas numa programação de palestras, oficina fotográfica e caminhada pelo centro histórico. O Fórum gerou uma carta de intenções, denominada Carta de Novo Hamburgo.

Além disso, o núcleo mantém o Grupo Defesa do Patrimônio Histórico e Cultural do Vale do Sinos – um coletivo livre que através das redes sociais congrega mais de 300 pessoas. Em 2013, pretende-se fortalecer a atuação local através da edição quinzenal de um informativo e de outras atividades.

sábado, 24 de novembro de 2012

Palestra no encontro do GenealogiaRS

No encontro mensal deste sábado, 24/11, do GenealogiaRS, em Campo Bom, o assunto principal foi o Tombamento de Patrimônio Histórico.

Palestrou com conhecimento de causa para cerca de quarenta pessoas, o jovem Jorge Luís Stocker Jr., que é delegado regional da Defender.
O Grupo GenealogiaRS, une-se doravante às propostas da Defender. Por Nelio J. Schmidt

sábado, 29 de setembro de 2012

Roda de Memória em Morro Reuter, no Arte no Casarão

Durante o evento Arte no Casarão, foi realizada uma Roda de Memória, com mediação do acadêmico de Arquitetura Jorge Luís Stocker Jr.








quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Casa Vidal e Palácio Coronel Diniz Martins Rangel são tombados provisoriamente

Durante uma reunião ocorrida em Taquara, na última quinta-feira (16), os prédios da antiga Casa Vidal e do Palácio Municipal Coronel Diniz Martins Rangel, foram tombados provisoriamente. O ato de tombamento, que contou com a participação do prefeito de Taquara, Délcio Hugentobler, do Conselho Municipal de Cultura e da Defender, visa reconhecer o valor cultural dos dois prédios - transformando-os em patrimônio oficial.

Segundo prédio de alvenaria construído em Taquara, e o mais antigo ainda existente, o imóvel onde funcionava a antiga Casa Vidal foi erguido em 1882, pelo Coronel Jorge Fleck - que governou o município durante curto tempo da época da Proclamação da República. A casa de tecidos e ferragens que funcionou no local, pertencente a José Júlio Muller, serviu como referência comercial aos viajantes da época.



 O Palácio Municipal Coronel Diniz Martins Rangel, que leva o nome do responsável por sua construção, em 1908, abrigava diversas funções na época de sua inauguração. No primeiro andar localizava-se a Administração Municipal, Gabinete do Prefeito, tesouraria e os arquivos; no segundo encontrava-se o Fórum e os cartórios; e no térreo estavam instalados os destacamentos da Polícia Municipal e da Brigada Militar, além da Delegacia de Polícia e Junta de Serviço Militar.

FONTE: Portal TCA

domingo, 19 de agosto de 2012

Patrimônio e paisagem urbana em discussão na cidade de Novo Hamburgo

Em comemoração ao Dia Nacional do Patrimônio Histórico, celebrado no dia 17 de agosto, foi realizado sexta e sábado o fórum “Patrimônio Cultural e Paisagem Urbana de Novo Hamburgo: Ontem, Hoje e Amanhã”.


Promovido em comemoração ao Dia Nacional do Patrimônio Histórico, o Fórum Patrimônio Cultural e Paisagem Urbana de Novo Hamburgo - Ontem, hoje e amanhã reuniu nas dependências do Espaço Cultural Albano Hartz representantes do IPHAN, IPHAE, MPE-RS, autoridades municipais, acadêmicos e sociedade civil, debatendo a preservação do patrimônio cultural da cidade.
A atividade foi organizada pelo núcleo regional Vale do Sinos da Defender, com apoio do IPHAN e IPHAE-RS.

 

As palestras e discussões geraram uma carta de intenções - a Carta de Novo Hamburgo, assinada por todos participantes e que, ao que parece, não foi lida até hoje pelos gestores municipais de cultura, Prefeito e demais autoridades.


sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Oficina de Fotografia Urbana em Hamburgo Velho

Durante o Fórum Patrimônio Cultural e Paisagem Urbana de Novo Hamburgo - Ontem, hoje e amanhã, em comemoração ao Dia Nacional do Patrimônio Histórico (17 de agosto) em 2012, foi promovida uma edição da OFICINA DE FOTOGRAFIA URBANA.

A oficina foi ministrada pelo fotógrafo Jorge Luís Stocker Jr. nas dependências do ateliê do artista Alexandre Reis em Hamburgo Velho.



quarta-feira, 15 de agosto de 2012

1ª Oficina de Fotografia Urbana

 
A primeira edição da Oficina de Fotografia Urbana acontecerá dia 18 de Agosto em Novo Hamburgo, durante a programação do Fórum Patrimônio Cultural e Paisagem Urbana de Novo Hamburgo - Ontem, Hoje e Amanhã!

A oficina será ministrada pelo fotógrafo Jorge Luís Stocker Jr. Ocorrerá a partir das 13h45 no ateliê do artista Alexandre Reis em Hamburgo Velho - Rua Piratini, nº 16. Próximo ao encontro da Rua Maurício Cardoso com a General Daltro Filho. Após, será realizada uma caminhada pelo bairro.


quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Palestra em Santo Ângelo - Participação da Sociedade Civil na Preservação do Patrimônio Cultural


Nas atividades da XX Semana Cultural de Santo Ângelo, foi promovido o Encontro: A Proteção do Patrimônio Histórico de Santo Ângelo.

A programação começou as 8h, com a antecipação da fala do Diretor do IPHAE, Eduardo Hahn, a pedido de alguns proprietários de bens inventariados do município.
Um grupo destes proprietários manifestou-se contrário as iniciativas de preservação e causou dificuldades nos andamentos das palestras.

Na sequência, representantes do COMPHAC apresentaram a atuação do Conselho.

Por último, Jorge Luís Stocker Jr. falou sobre a participação da sociedade civil na preservação do patrimônio cultural, compartilhando a experiência do grupo regional da Defender no Vale dos Sinos.

 O encontro foi mediado pelos integrantes do COMPAHC Amilcar Guidolim e Juliani Borchardt, e ocorreu no Auditório do Centro Municipal de Cultura.



sábado, 14 de julho de 2012

Encontro A Proteção do Patrimônio Histórico de Santo Ângelo





Programação
8 horas – Credenciamento e Abertura do Evento
8h15 – Apresentação das ações do Conselho Municipal do Patrimônio Arqueológico, Histórico e Cultural de Santo Ângelo
8h45 – Jorge Luís Stocker Jr., acadêmico de Arquitetura e Urbanismo e delegado da Defender
9h30 – Dra. Paula Regina Mohr – Promotora de Justiça Especializada de Santo Ângelo
10h30 – Arq. Eduardo Hahn, Diretor do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado – IPHAE/RS

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Reunião com Prefeito Municipal de Taquara (RS)

A problemática da preservação do patrimônio cultural de Taquara foi abordado em reunião com o Prefeito Municipal, Délcio Hugentobler, por representantes da Defender: presidente Telmo Padilha, delegados regionais Alex Juarez Müller (Taquara) e Jorge Luis Stocker Júnior (Vale do Sinos).

Abordou-se as fragilidades da tutela legal do patrimônio cultural do município. Considerando serem de propriedade do poder público, foi sugerido que o sr. Prefeito realizasse o tombamento do Paço Municipal e da Casa Vidal.

Quanto a Casa Vidal, cuja degradação é evidente, a Defender disponibilizou-se a realizar o processo de recuperação, através de termo de cooperação com a Prefeitura. A Prefeitura anunciou que uma proposta de traba­lho será apresentada pela Defender ao Executivo no prazo de 15 dias.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Reunião em Taquara em defesa da Casa Vidal

TAQUARA - O presidente da Defesa Civil do Patrimônio Histórico - Defender, Telmo Padilha Cesar e os delegados regionais Alex Juarez Müller (Taquara) e Jorge Luís Stocker Junior (Campo Bom - Vale dos Sinos e Encosta da Serra), foram recebidos pelo prefeito Délcio Hugentobler e pela diretora de Desenvolvimento, Edna Fischborn, na sexta-feira (22/06), a fim de tratarem sobre a revitalização da Casa Vidal.

Uma proposta de trabalho será apresentada, dentro de 15 dias, ao Município, pela OSCIP Defender e, caso, a empresa participante da licitação não esteja apta, a proposta da Defender será analisada pela Prefeitura. "Conhecíamos somente uma proposta de revitalização, agora conhecemos outra bem diferente", ressalta o prefeito. O presidente da Organização, Telmo Padilha, disse que o trabalho realizado pela instituição é reconhecido em todo País. "Nosso trabalho como organização da sociedade civil do patrimônio, nos oferece credibilidade em todos os cantos do mundo, não havendo nada que nos impeça de desenvolvermos nossas atividades", afirmou, agradecendo a recepcionalidade do Executivo.


Magda Rabie
Assessoria de Imprensa

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Encontro de debate em Rolante (RS)

No dia 02/06 foi realizado primeiro encontro para debater a preservação do patrimônio cultural de Rolante. O evento foi realizado nas dependências da Sociedade Carlos Gomes.
Intermediaram o debate o acadêmico de arquitetura Jorge Luís Stocker Junior e o historiador Alex Juarez Müller, integrantes de núcleos regionais da Defender.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Carta aberta - demolição da Pensão Jaeger, Taquara (RS)

Após sofrer um incêndio, a antiga Pensão Jaeger, prédio histórico de Taquara (RS), passou a ser alvo de um inquérito não no sentido de preservar a edificação, mas de demolí-la fatalmente, dando-se inclusive prazo para sua eliminação. Como contrapartida, quando eventualmente algum projeto se fizer no lote, foi sugerido pelo MP que se fizesse uma reconstrução.
 Buscando reverter este entendimento da Promotora do MP no município, o representante do núcleo regional da Defender Jorge Luís Stocker Jr. redigiu a carta aberta abaixo, divulgada também na imprensa de Taquara.


Exmª. Sra. Promotora de Justiça Ximena Ferreira

Venho como cidadão, por intermédio desta correspondência eletrônica trazer uma série de inquietações e colocações a respeito do caso da Antiga Pensão Jaeger, que se encontra em demolição em pleno sítio histórico de Taquara/RS.
Inicialmente, gostaria de me apresentar: não sou taquarense, sou cidadão de Campo Bom/RS, mas apaixonado pela cidade de Taquara, especialmente devido ao seu incomparável sítio histórico central. Sou acadêmico do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Feevale, onde também estou vinculado ao Laboratório de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo. Desenvolvemos pesquisas e projetos de educação no sentido de entender e valorizar o patrimônio cultural. Já participei de cursos de Extensão em Educação Patrimonial, em Metodologia de Projetos para Restauro e em diversos seminários e eventos. Sou associado da Defender, a qual represento dentro dos limites territoriais do Vale do Sinos e Encosta da Serra.
Conhecendo de longa data a importância da atuação do Ministério Público como aliado na busca do cumprimento das disposições legais em defesa do patrimônio cultural, e especialmente, o árduo e incansável trabalho de Vossa Exª. neste sentido, faço este contato receoso de que não haja tempo hábil para uma mudança de decisão – pois infelizmente só tomei conhecimento do pedido de demolição da Pensão Jaeger quando já havia um TAC assinado com esta promotoria e o prédio já encontrava-se em demolição.
Deixo, enquanto cidadão brasileiro que está se sentindo agredido em seus direitos com a demolição desta Pensão Jaeger, e verificando que este caso desmoraliza uma importante movimentação civil que eclode no município em prol da preservação do patrimônio edificado, os seguintes questionamentos:

1 – quanto ao eventual perigo de desabamento: não possuo no momento responsabilidade técnica para a emissão de um laudo dentro dos conformes. Em visitação in loco, no entanto, percebi que a edificação apesar de incendiada não apresenta quaisquer indícios de arruinamento das paredes. Procurei e não encontrei nenhuma patologia severa como rachaduras, fendas, esmagamento da alvenaria, cedência das fundações ou qualquer outro tipo de anomalia estrutural que comprove o eventual desabamento. Questiono se o técnico laudista tem capacitação específica para esta área de conservação e restauro de patrimônio cultural?

2 – considerando que há eventualmente a longo prazo qualquer risco de desabamento, questiono a não adoção da solução de ESCORAMENTO EMERGENCIAL. Trata-se ao meu ver da decisão mais prudente e barata, analisando prováveis morosidades que levariam a dificuldade de sua completa restauração em curto prazo. Este escoramento poderia tranquilamente ser feito na parte interna da edificação, reforçando os pontos onde hoje não existem, mas eventualmente poderiam manifestar algum risco de desabamento no futuro.
Friso que a estrutura até o momento em que a visitei no último sábado (02/06) contava com a amarração das paredes internas em boa parte e amarração geométrica da esquina chanfrada. Alerto que são exatamente as paredes internas que aparentemente estão começando a demolir, inserindo um risco até então inexistente na estrutura.

3 – Deveria se considerar o precedente e desmoralização que este caso abre para a preservação de qualquer outro bem cultural na cidade. Sempre será mais fácil incendiar, demolir e reconstruir uma réplica fetichizada do que buscar soluções para seu resgate.

Considerando-se, que realmente a conclusão do Inquérito tenha apontado através de seu laudo técnico esta equivocada necessidade, gostaria de questionar se foi devidamente consultado o órgão estadual IPHAE-RS – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado do Rio Grande do Sul, conforme convênio por este firmado com o Ministério Público.
Tal se justifica ainda sob as prerrogativas da Constituição Estadual e da Lei Estadual n.º 7.231, de 18 de dezembro de 1978, art. 3º. Seria indispensável para garantir a coerência da decisão e da compensação acertadas, pois estaríamos contando com laudos técnicos especializados e investidos de autoridade dentro desta área.

4 – gostaria, por fim, de deixar uma manifestação completamente contrária a demolição e mesmo a posterior reconstrução de uma réplica da Pensão Jaeger. Trata-se de algo completamente repudiado pelo meio acadêmico, por profissionais especializados na área de Conservação e Restauro e em suma, por qualquer órgão de preservação. As réplicas são aceitas como bom termo em casos específicos e raríssimos, sempre com o cuidado de não abrir precedente. Sabemos que o patrimônio cultural não se limita a uma imagem bonita, o que poderia ser reproduzido, a esmo, a qualquer momento, sem nenhum valor cultural; mas que existe toda dimensão documental que permeia sua materialidade.
É inexplicável a recomendação da construção de uma réplica quando se tem de forma impecável, mais de 90% do material original da obra em nossa frente. Tal caso poderá e já está a abrir tristes precedentes para o desmonte do restante do patrimônio cultural da cidade.

Gostaria por fim, de respeitosamente trazer a Vossa Exª. estes questionamentos e o pedido que, em respeito ao benefício da dúvida, PEÇA COM URGÊNCIA a emissão de um laudo especializado pelo órgão competente IPHAE-RS, conforme Termo de Cooperação do Instituto com o MP, bem como que este órgão deixe sua sugestão de compensação caso haja uma duvidável concordância com a necessidade de demolição.

Sei do envolvimento desta promotoria com a causa da preservação e penso que apenas assim teremos a certeza de que o patrimônio cultural de Taquara será preservado da melhor forma dentro das possibilidades atuais e de que a mobilização da sociedade civil em torno do tema preservação não receberá esta triste demolição para lamentar e causar sua desmoralização frente a quem busca o desmonte da cultura da cidade.

Agradeço imensamente a atenção dispensada, contando com o engajamento e coerência desta promotoria para a preservação do patrimônio cultural de Taquara,
Jorge Luís Stocker Jr.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Ação emergencial: Demolição em Nova Hartz

Aproxima-se de um desfecho o caso de demolição ilegal de um bem histórico no centro da cidade de Nova Hartz (RS). A residência foi inteiramente demolida em poucas horas por uma retroescavadeira no final de dezembro de 2011.




Após receber a notícia da demolição, o representante do grupo regional da Defender Vale do Sinos Jorge Luís Stocker Jr.  formalizou uma denúncia na promotoria do Ministério Público. “Os bens inventariados de Nova Hartz estão pontualmente mapeados no Plano Diretor, ou seja, são de interesse público reconhecido. Sabendo deste respaldo, buscamos o Ministério Público para que acompanhasse de perto a resolução deste caso.” – Explica Jorge. Segundo ele, “a eventual impunidade poderia gerar a desmoralização do Plano Diretor e do inventário, provocando demolições ainda mais graves no patrimônio cultural deste município.”.

A promotoria de justiça de Sapiranga informou que, sob sua concordância, a Prefeitura Municipal de Nova Hartz está formulando um Termo de Compromisso junto ao proprietário da residência demolida.  Neste documento o proprietário reconhece ter tomado uma atitude precipitada e se dispõe a financiar integralmente os custos da restauração de outro bem histórico inventariado da cidade, a ser apontado pelo poder público através do Conselho constituído, e com a fiscalização do corpo técnico da Prefeitura Municipal.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Encontro de defesa do patrimônio cultural em Esteio (RS)

Na tarde do último sábado (05/05), a sociedade de Esteio (RS) teve a oportunidade de discutir problemas enfrentados e soluções possíveis para a manutenção do seu patrimônio histórico. O encontro aconteceu em espaço cedido no centro cultural da cidade.

A iniciativa foi da esteiense Janice Fagundes da Rosa, que participou do primeiro encontro regional promovido pelo grupo Defesa do Patrimônio Cultural do Vale do Sinos no mês de março em Hamburgo Velho. Nesta ocasião, Janice levou alguns problemas enfrentados na sua cidade, sendo o principal deles a degradação do antigo Seminário Claretiano, bem tombado e pertencente a municipalidade. Nesta ocasião concluiu-se a necessidade de um encontro de discussão específico para a cidade.

Inicialmente o esteiense Guilherme Dahmer apresentou um breve histórico da organização civil em relação ao patrimônio cultural na cidade, apresentando a atuação desenvolvida junto a associações de bairros e o movimento “Esteio tem história”. Em seguida, o delegado do núcleo do Vale do Sinos da Defender, Jorge Luís Stocker Jr. apresentou algumas possibilidades e soluções possíveis para a problemática da preservação.




A necessidade de organização da sociedade civil para a cobrança de atitudes em relação ao patrimônio histórico da cidade pautou as discussões do encontro, principalmente no que diz respeito a ações que visem a restauração do Seminário Claretiano, por sua importância simbólica para a identidade de Esteio. Além disso, abordou-se a necessidade de um inventário de patrimônio cultural na cidade, o potencial do Plano Diretor neste processo, a necessidade de criação de dispositivos para a preservação e ações civis que visem a valorização do que ainda existe.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Lançamento do projeto Preserve Campo Bom

O blog Die Zeit tem o prazer de apresentar um novo projeto: o blog Preserve Campo Bom.




http://preservecampobom.blogspot.com.br/


O Preserve Campo Bom é um projeto que tem como propósito pesquisar e conhecer um pouco mais do patrimônio histórico, cultural e ambiental da cidade de Campo Bom, difundindo informações para promover a valorização do legado cultural daquele município. Acompanhe!

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Encontro discutirá patrimônio cultural de Rolante (RS)


Crédito da imagem: Ralph Flesch / Acervo do grupo Amigos de Rolante

No próximo sábado, dia 02/05, os moradores de Rolante (RS) terão uma oportunidade inédita de discutir a cidade e o seu patrimônio cultural. A iniciativa é de alguns membros do grupo de Facebook "Amigos de Rolante", que congrega mais de 700 membros na rede social.

Para Nelio Schmidt, rolantense de nascimento e participante do grupo, "o encontro pode ser o início de um resgate efetivo da memória e do patrimônio cultural da cidade". A moradora Mara Sarquiz frisa que "Rolante precisa de uma legislação, pois não tem hoje nem mesmo Plano Diretor. Devido a isto muito do patrimônio da cidade já se perdeu ou está descaracterizado." e complementa: "Tenho um certo saudosismo de Rolante da minha infância, e acredito que está na hora da população dar-se conta de que é importante preservar o que resta. Muitos tem medo de tombamento e desconhecem outras formas de preservação".

Jorge Luís Stocker Jr., representantes do núcleo Defender Vale do Sinos, estará participando da discussão, levando exemplos de possibilidades de atuação da sociedade civil. O encontro é livre e aberto a todos os interessados, e acontecerá a partir das 16h00 na sede da Sociedade Carlos Gomes, situada na Rua Carlos Huff esquina Pedro Schneider, em Rolante (RS).

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Manutenção do mobiliário urbano histórico em Hamburgo Velho

O grupo que atua na defesa do patrimônio cultural de Novo Hamburgo, representado pelo artista Alexandre Reis e pelo acadêmico de Arquitetura Jorge Luís Stocker Jr., reuniu-se na última quinta-feira (26/04) com a Arq. Arlete Erbert, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano na Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo. A reunião foi solicitadas pelos delegados, em virtude da divulgação recente de uma intervenção para a praça da Igreja Nossa Senhora da Piedade, situada no bairro Hamburgo Velho.


“Quando houve a remoção das floreiras da Av. Maurício Cardoso na semana passada, recebemos uma série de manifestações pelas redes sociais e e-mail, e ficamos preocupados com o que iria ser construído no local”, relata Jorge. “Decidimos que seria importante antes de qualquer atitude conhecermos o projeto, considerando que está dentro da área de estudo de tombamento pelo IPHAN”.

A Arq. Arlete Erbert apresentou o projeto de sua autoria, que será executado em uma parceria da Prefeitura Municipal com a Universidade Feevale. Este prevê a colocação de luminárias, de um peitoril metálico e de uma calçada em pedra arenito no trecho em nível da Av. Maurício Cardoso. O projeto mantém o embasamento das antigas luminárias do local. Neste momento, não haverá intervenções maiores no interior da praça.

Os dois ativistas, que integram o grupo regional da Defender no Vale do Sinos, deixaram a sugestão de que sejam mantidas não apenas as bases, mas também o fuste das luminárias originais que ainda existem, ainda que estas não sejam restauradas neste momento. A Arq. Arlete comprometeu-se a adotar esta sugestão.
“É uma forma de assegurar este importante resquício de mobiliário urbano, permitindo que no futuro possam haver projetos que contemplem sua restauração”, comenta Alexandre. “Manter estas peças é respeitar o caráter histórico do bairro, viabilizando a futura recuperação” complementa Jorge, “estamos satisfeitos com a atenção que recebemos e com esta abertura para o diálogo. Parabenizamos a arquiteta pela sensibilidade e esperamos que as luminárias sejam mantidas e um dia, restauradas”.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Apresentação no Instituto São Leopoldo 2024

Na noite do dia 02 de abril, representantes do grupo do Vale do Sinos da Defender, a convite do Instituto São Leopoldo 2024, apresentaram suas sugestões durante reunião do Grupo Cultural. O encontro ocorreu na antiga Sede da Unisinos, tendo por objetivo a formulação da Agenda 2016, conjunto de propostas idealizado pelo Instituto a partir das discussões de todos os encontros, que serão apresentadas aos candidatos a prefeito de São Leopoldo.

A reunião começou com a apresentação da Arq. Gabriela Scrinz, Presidente do Conselho Municipal de Patrimônio Cultural. Foi apresentada a atuação do Conselho, que segundo Gabriela, tem caráter consultivo. Também informou que já foi procedida a a atualização e aquilo que chama de qualificação da listagem de imóveis indicados para preservação, além de uma legislação de suporte a esta listagem. Este conjunto de leis regulamentariam o patrimônio cultural da cidade e já foram encaminhadas para a Câmara Municipal para votação.

Após, o Arq. Leonardo Corá apresentou breves tópicos da evolução urbana de São Leopoldo, contextualizando seu patrimônio cultural. Foram informados os bens já tombados pelo IPHAE, além de indicadas algumas potencialidades para tombamentos e problemas emergenciais.

Após, o acadêmico de arquitetura Jorge Luís Stocker Jr. destacou a necessidade de participação da sociedade civil quando se fala em patrimônio cultural. A apresentação buscou resgatar a raiz da problemática do patrimônio cultural, apresentando a legislação federal e estadual de respaldo existente e trazendo algumas respostas às demandas mais imediatas da cidade. Os participantes da reunião foram convidados a se fazerem presentes na segunda edição do encontro Discutindo o Futuro da Memória Arquitetônica e do Legado Histórico do Vale do Sinos, que deverá acontecer em São Leopoldo em data ainda indefinida.

Segundo Adroaldo Diesel, reponsável pela comunicação do Instituto, a posição do grupo cultural é de que o patrimônio cultural da cidade é um diferencial a ser explorado, como potencial econômico e também como forma de manutenção de uma identidade frente à grande mancha urbana metropolitana dentro da qual hoje se encontra. A mediadora Barbara Sinigaglia encerrou, frisando a importância de unir esforços em prol de objetivos em comum, entre eles, a preservação do patrimônio cultural de São Leopoldo.


sexta-feira, 23 de março de 2012

Reunião com representantes do poder público em Novo Hamburgo

Na manhã desta sexta-feira, dia 23 de março, representantes do grupo de Defesa do Patrimônio Cultural do Vale dos Sinos reuniram-se com a secretária de cultura de Novo Hamburgo. A reunião teve como objetivo levar à municipalidade as demandas discutidas no encontro aberto do dia 03 de março, realizada em Hamburgo Velho pela mesma entidade, estabelecendo diálogo entre sociedade civil e poder público.
Estiveram presentes os delegados regionais Jorge Luís Stocker Júnior e Alexandre Reis, trazendo os questionamentos para a secretaria de cultura Anita Lucas de Oliveira, que esteve acompanhada da Arq. Hannelore Roeben Tessmer e da Arq. Rosaura Giordano, coordenadora dos projetos de revitalização de Hamburgo Velho.

A principal pauta da discussão foi a situação crítica de Novo Hamburgo, com a apresentação do flagrante desrespeito ao atual inventário do patrimônio histórico do município. Os delegados da Defender apresentaram dezenas de casos recentes de demolições de prédios de inegável valor cultural. A informação é de que existe um novo inventário em andamento para o Centro Histórico, Corredor Cultural e parte do centro da cidade, integrante dos projetos de revitalização. Apresentou-se a sugestão de que a Prefeitura celebre urgentemente um convênio com o IPHAE-RS, para o levantamento do patrimônio cultural dos demais bairros da cidade, trazendo o conhecimento técnico daquele órgão para garantir que haja uma seleção coerente e que não sejam descartados mais bens históricos importantes.

Também abordou-se a necessidade de readequação da legislação municipal, caso sejam de fato efetivados os inventários com balizamento do IPHAN já em andamento e IPHAE, conforme sugerido pela entidade. Trazendo assim alternativas para os proprietários das edificações através de financiamentos, fundos municipais e outros tipos de projetos, além de necessidade de revisão do Plano Diretor para que haja criação de demanda para a venda de índice. Verificou-se que o Plano Diretor é hoje extremamente permissivo, sendo improvável a possibilidade de que as construtoras necessitem adquirir índice construtivo dos proprietários de bens históricos, inviabilizando a aplicação deste recurso regulamentado pelo Estatuto das Cidades.

Em resposta aos apelos da entidade em relação ao perigo eminente de colapso do antigo Evangelisches Stift de Hamburgo Velho, tombado e de propriedade do município, a Arq. Rosaura Giordano garantiu que a verba para a restauração já está aprovada, faltando apenas os trâmites para contratação da empresa que irá executar as obras. Devido a isso ainda não há definição de data para o início das obras recuperativas.

Por fim, o grupo sugeriu que a municipalidade aproveite que já existe cadastro das escolas do município no programa federal Mais educação, e incentivem a escola a adotar o programa de educação patrimonial disponibilizado pelo MEC e IPHAN, em que os alunos tem a possibilidade de realizar inventários de seus próprios bairros, criando uma geração mais sensibilizada com a importância do patrimônio cultural.
A secretaria Anita comprometeu-se a levar as sugestões e as demandas apresentadas pelos representantes para o sr. Prefeito Municipal Tarcísio Zimmermann, que deverá ser convidado em breve a respondê-las.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Ação emergencial - Clube Concórdia Santa Rosa (RS)


 

O início da demolição da parte vendida do Clube Concórdia ocorreu na manhã deste sábado (10). Integrantes do Conselho Municipal de Cultura, presidido pela artista Luciane Miranda, se deslocaram até o local para tentar que as obras de demolição fossem paralisadas. 

No dia 12/03; integrantes da OSCIP Defender estiveram na cidade, ajudando o grupo a reunir elementos. Foi solicitada a abertura do processo de tombamento junto ao IPHAE. O IPHAE, recebendo a documentação, emitiu ainda na manhã de segunda-feira o Tombamento Provisório pelo Estado do Rio Grande do Sul. Então, a partir desta segunda-feira (12), toda e qualquer modificação no Clube precisa passar e ser autorizado pelo IPHAE, não apenas pelo município.

 
 




domingo, 4 de março de 2012

Encontro “Futuro da Memória Histórica e Legado Arquitetônico no Vale do Sinos”




Aconteceu na tarde deste sábado, 03 de março, o encontro “Futuro da Memória Histórica e Legado Arquitetônico no Vale do Sinos”. A iniciativa teve a participação de 21cidadãos de diversos municípios: Novo Hamburgo, Esteio, Porto Alegre, Picada Café, São Leopoldo, Ivoti, Campo Bom, Cachoeira do Sul e Taquara.

O interesse pelo tema surpreendeu os organizadores, atraindo estudantes e profissionais das áreas de História, Arquitetura, Artes, Genealogia além de profissionais que ocupam funções ligadas ao tema na Prefeitura de Novo Hamburgo.
Entre os vários assuntos abordados, destacou-se a manifestada preocupação de todos com o destino de cemitérios históricos da região, que estão em processo de arruinamento ou destruição a exemplo do que acontece em outras partes do Estado, incluindo a capital Porto Alegre. Os cemitérios são importantes fontes primárias em pesquisas documentais, históricas, artísticas  e genealógicas ou pelo aspecto paisagístico, assemelhando-se a parques, sendo citado como exemplo o cemitério de Hamburgo Velho. É unânime a necessidade de sua valoração, proteção e o reconhecimento de sua importância a ponto de serem incluídos em tombamentos ou inventários.

Os participantes apresentaram também preocupação com os bens de valor histórico e arquitetônico em áreas urbanas e rurais em municípios onde não estão situados em conjuntos históricos ou entornos protegidos. A dificuldade em determinar a preservação de edificações históricas isoladas frente a especulação imobiliária foi reforçada por muitos presentes, tendo sido pontuados os casos de São Leopoldo, Ivoti, Novo Hamburgo e Campo Bom.

Foi apresentado o caso do Seminário Claretiano de Esteio, frisando-se a importância de um dos únicos bens históricos daquela cidade e que hoje encontra-se em acelerada degradação, apesar de ser uma propriedade pública tombada. Decidiu-se pela realização de um encontro de debates com a sociedade de Esteio para buscar soluções a esse caso. Concluiu-se a necessidade urgente de projetos de educação patrimonial que atinjam a sociedade, ainda que pontuais, já que sua implantação nos currículos escolares é um fato distante. Debateu-se a necessidade da ampliação do diálogo com diferentes os setores e lideranças da sociedade, incluindo a sensibilização dos grupos existentes e já atuantes, além de buscar o apoio dos meios de comunicação.

Sugeriu-se o fortalecimento da movimentação social. Representantes da Defender estiveram presentes, disponibilizando a entidade para servir de suporte para organização e capilarização das atividades; dando embasamento também para o posicionamento preservacionista das comissões e conselhos de patrimônio, que hoje tem dificuldade em determinar a preservação dos bens históricos. Alguns participantes disponibilizaram-se para exercer o papel de delegado regional da Defender em suas cidades.

Também foi ressaltada a importância da solicitação de tombamento  ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado do RS – IPHAE, ampliando a interatividade com essa instituição.
Os cidadãos de Novo Hamburgo presentes manifestaram preocupação com o futuro do bairro Hamburgo Velho, pois já participaram de audiências públicas relativas a revitalização do bairro e relataram investimentos que fizeram contando com a concretização dos projetos apresentados pela municipalidade. Frisou-se a urgência do caso do Lar da Menina / Antigo Evangelisches Stift, atualmente em ruínas, cujo projeto apresentado nas audiências contemplava sua restauração.

 Os presentes decidiram pela convocação do Sr. Prefeito Municipal para que este tenha a oportunidade de acolher as dúvidas e prestar esclarecimentos pessoalmente, o representante do Movimento Roessler comprometeu-se a colaborar na iniciativa.
Agradecimentos especiais: Jornal NH e TV Feevale

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Organização do encontro "Discutindo o Futuro do Legado Histórico e da Memória Arquitetônica dos municípios do Vale do Sinos"

Um encontro aberto para debater o patrimônio histórico do Vale do Sinos. Essa iniciativa, organizada pelo grupo Defesa do Patrimônio Histórico e Cultural do Vale do Sinos, tem como objetivo criar uma inédita oportunidade para a discussão do patrimônio cultural pela própria sociedade civil do Vale do Sinos.

O encontro Discutindo o Futuro do Legado Histórico e da Memória Arquitetônica dos municípios do Vale do Sinos será no dia 3 de março, a partir das 15h30, em uma casa histórica do centro histórico de Hamburgo Velho, localizada na Rua Piratini, 16. O espaço foi cedido pelo artista Alexandre Reis.
“Os municípios da região têm uma origem comum, a colônia alemã de São Leopoldo, e a preservação do patrimônio em cada município enfrenta problemáticas muito semelhantes”, comenta Jorge Luis Stocker Júnior, delegado regional da Defender na região. Segundo ele, o encontro é uma oportunidade para discutir como a própria sociedade civil pode se organizar e buscar as possibilidades. “Vemos diariamente que são ineficientes soluções vindas de cima para baixo”, completa.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Grupo se reúne com Prefeito de Santo Angelo para debater a preservação do Patrimônio Cultural

Integrantes da Defender estiveram reunidos com o Prefeito Municipal de Santo Angelo, Eduardo Loureiro, no dia 06/02.

Entre os assuntos abordados, a necessidade de preservação dos bens históricos inventariados da cidade, da finalização do inventário de bens culturais e a preservação do Paço Municipal.

Estiveram presentes o presidente da Defender, Telmo Padilha, o delegado da Defender de Santo Angelo, Amilcar Guidolin, e o delegado do Vale do Sinos, Jorge Luís Stocker Jr. A reunião foi acompanhada pelo Secretario de Cultura, Leoveral Goelzer.